Trio Mini Stroopwafel de Caramelo (Para Café)
São Paulo, Brasil
Trio Mini Stroopwafel de Caramelo (Para Café)
"Nada melhor do que tomar um cafezinho com stroopwafel à tarde, ainda mais nestes dias mais frios. Só de lembrar do caramelo derretendo... Hmm!" José Estan vive na cozinha e adora comida italiana, especialmente o nhoque feito pela “nonna”. Além de curador gastronômico, é "expert" em cervejas gourmet.
Produto indisponível
Sobre o produto

Conteúdo: 3x Mini Stroopwafel Original

Eis um dos quitutes mais famosos da Holanda. Porém, enquanto o tradicional é utilizado como “tampa” da xícara de chá, esta versão mini é adaptada para os amantes de café. Quer toque mais brasileiro que esse?

A receita nasceu na Holanda, com um padeiro de Gouda que uniu à massa especiarias orientais e o seu doce preferido: o caramelo.

As influências vem principalmente do Caribe, e seu açúcar mascavo, e da Indonésia, com sua canela. A mistura doce e levemente picante se integra à massa caseira que mantém a maciez de um waffle e o aspecto crocante de um biscoito.

É do costume holandês comer esta iguaria acompanhada de chá. Primeiramente, “tampa-se” a xícara com um strooperwafel logo que a água acabar de ferver. A fumacinha se encarrega de derreter o recheio, amolecer a superfície e transformar a experiência em um sonho real.

Esta receita segue a tradição de um pequeno produtor que vive e fabrica seus doces em um vilarejo chamado Capelle aan den IJssel, na parte sul de Gouda, onde tudo começou.

Quantidade: 150 g (cada pacote)

História

Neto de imigrantes europeus e angolanos, o administrador de empresas Ricardo Alcerito, tirou férias e resolveu conhecer outros países. Foi quando acabou entrando em contato novamente com dois elementos que marcaram a sua infância: a farinha e o forno.

Vegetariano desde a juventude, sempre saciou seus prazeres com os doces. Em cada uma de suas viagens, faz questão de conhecer as mais típicas e inusitadas sobremesas e quitutes de rua que adoçam a vida dos nativos (melhor ainda se não estiverem em guias de viagem).

Acreditando na culinária como a melhor representação da cultura de uma nação, ele abriu a Sobremesas do Mundo, onde a sobremesa é vista como “o prêmio, a recompensa, o pequeno e melhor pedaço que deixamos para o final, o encerramento do culto ao ato de reunir-se para comer”.

Por enquanto, são duas as receitas caseiras que saem de suas fornadas: o holandês stroopwafel e o africano koeksusters.

Qsno7h70wnqtwxvbgtu1
Curador(a)
Alykhan Karim
Produtos relacionados