Como escolher um Riesling?

Uma conquistadora, essa Riesling... Por onde passa, atrai olhares, exala seu perfume no ar e deixa os mais exigentes apreciadores de boca aberta.

É uma uva que atinge diferentes ápices em vários cantos do mundo com suas versões que vão da mais seca à mais doce. Seus rótulos são frutos dos mais diferentes sabores, um melhor que o outro.

A moda não demorou para chegar no Brasil. Mas com tanta variedade, como distinguir os Rieslings e escolher a melhor opção para cada momento?

Quando o assunto é vinho, nenhum guia é capaz de garantir sabores e personalidades, mas com algumas regras e dicas básicas, dá para apostar em um rótulo ou outro com grandes chances de sucesso.

Doce ou seco?

A primeira coisa a decidir é a doçura do Riesling. Uma das coisas mais legais dessa uva é sua versatilidade... Uma das coisas mais chatas é que fica difícil saber, pelo rótulo, se se trata de um vinho seco ou de sobremesa.

Alguns produtores estampam “dry” (seco) ou “sweet” (doce), mas isso não é suficiente perto dos tantos níveis de doçura da Riesling. Ela pode ser “medium dry” (vinho meio seco), “medium sweet” (meio doce) e por aí vai.

Quer um truque? Basta dar uma olhada na graduação alcoólica – quanto menor for, mais doce será. Isso acontece porque durante a fermentação, o açúcar natural da uva vira álcool (se a conversão não acontece, permanece doce e menos alcoólico). Qualquer Riesling com mais de 11% é seco, pois quase todo seu açúcar foi transformado em álcool.

Se você não liga muito pra vinhos doces, prove harmonizar a acidez de um prato elaborado com o caráter único da Riesling e você vai mudar de ideia rapidinho.

Que língua é essa?

A Alemanha é sem dúvidas o lar de alguns dos melhores Rieslings. No país, por lei, em todo rótulo deve constar o tipo do vinho (entre outras exigências). São termos que você vai encontrar em algum lugar da etiqueta.

Vale a pena guardar na memória estas oito palavras-chave: “trocken” significa, literalmente, seco, e todo Riesling seco se enquadra nessa categoria; “feinherb” e “lieblich” equivalem aos nossos demi secs – aromáticos, com uma doçura bem suave; os docemente florais “spaetlese” e “auslese” já entram no time dos vinhos de sobremesa; por fim, há os super doces “beerenauslese”, “trockenbeerenauslese” e “eiswein” (não é exagero repetir que são muito, mas muito doces).

Existem outras palavras que podem vir a calhar na hora de escolher um bom Riesling. “Anbaugebiet” nem sempre aparece no rótulo, mas indica a denominação do vinho (o nome da região vem logo em seguida). Quando a etiqueta apresentar o “AP Number”, quer dizer que foi testada e aprovada pelo governo. “Charta” é uma expressão nova para os vinhos “que pedem comida” (secos e fortes).

Esses são só alguns termos, mas existem muitas outras palavras úteis para os amantes de vinho. Não seria esta uma chance de aprender uma nova língua?

Volta ao mundo

Junto à Alemanha, a Áustria é um dos países que entendem bem a dinâmica dessa cepa branca. O país, que até alguns anos atrás era desconhecido no mundo dos vinhos, tem na Riesling alguns de seus maiores trunfos. Pela exclusividade e exoticidade, são também os exemplares mais caros da uva.

Logo ao lado está a Alsácia, estado francês disputado desde a antiguidade. Sabia que a França proíbe plantar Riesling em qualquer área com mais de 64 quilômetros de distância da Alemanha? Com isso, a Alsácia é a única região do país que produz Riesling, que ganha ali toda a finesse ao estilo francês.

Vindo às Américas, os Estados Unidos tem grande potencial na produção de Riesling. Batizada de Johannesburg Riesling na Califórnia, a uva vem retomando ano após ano seu lugar de direito entre os vinhos brancos, tomado pela Chardonnay após a época da Lei Seca americana.

Os melhores rótulos, porém, ainda nascem no Oregon, conhecidos principalmente por suas potentes frutas cítricas e maduras, às vezes com um toque docinho que proporciona os finais mais felizes do continente.

Do outro lado do mundo, mas não menos importante, está a Austrália. Por muito tempo, o país lançou Rieslings de produção em massa e baixa qualidade, muitas vezes misturados a outras uvas. Na última década, porém, o controle das associações locais aumentou consideravelmente, e os australianos prometem grandes vinhos para as próximas safras.

Questão de idade

Por se tratar de um vinho branco, muitos torcem o nariz ao se deparar com Rieslings de mais de três safras atrás. Mas saiba que não há nada a temer. Graças a sua reserva natural de açúcares e ácidos utilizados na fermentação, os Rieslings são verdadeiros vinhos de guarda. Alguns podem ser abertos podem até evoluir com 10 ou mais anos de descanso.

Extremamente aromática, rica em sabores, a Riesling é a uva preferida da Jô, do Edson, do Aly, de quase todos do Sonoma. Algum autor, em algum momento, escreveu: “Nem todo Riesling é para todos os paladares, mas existe um Riesling para todos eles. Se você não gosta de Riesling, provavelmente não provou o suficiente”.



Pfalz, Alemanha

Anselmann Riesling Trocken 2015

Best seller badge

Alentejo, Portugal

Quinta São José de PêraManca Pêra Grave Branco 2016

Pfalz, Alemanha

Anselmann Pinot Noir 2014

90

rp

90

js

Méntrida, Espanha

Bodegas Arrayán Albillo Real