Petit Verdot, a francesa de peso

Sem aquela frescura tão típica de quando as pessoas costumam falar da França, a Petit Verdot é uma uva um tanto quanto simples!

Sem aquela frescura tão típica de quando as pessoas costumam falar da França, a Petit Verdot é uma uva um tanto quanto simples!

E não precisa entender de francês para pronunciar seu nome de maneira correta, não. Basta fazer um biquinho com a boca e repetir comigo: "petí verdô".

Pode ser que nunca tenha sequer ouvido falar esse nome - mas grandes as chances de já ter provado um vinho feito a partir da uva. E a explicação para isso é bem simples: dificilmente vai encontrar um vinho monovarietal da Petit Verdot (isto é, um vinho produzido exclusivamente com a uva!). Por outro lado, é comum que ela seja utilizada em cortes com Cabernet Sauvignon ou outras variedades tintas.

Apesar de, em tradução literal do francês, Petit Verdot significar "verde pequeno", a uva se destaca por dar mais corpo e cor ao vinho, assim como deixá-lo mais estruturado também. Vai entender, né?!

Além disso, a variedade produz vinhos com acidez elevada e taninos bem presentes, trazendo aquela sensação de adstringência à boca, a mesma que se experimenta ao comer uma fruta ainda verde.

Bem... Com taninos e acidez que praticamente imploram por gordura, bom corpo e estrutura, o ideal seria harmonizar o vinho com carne de porco ou até mesmo uma tradicional picanha! Se a pedida for aquela picanha grelhada de aperitivo, com tirinhas de gordura e tudo, é só tomar cuidado com a quantidade de sal, pois este elemento pode "brigar" com os taninos, causando sensação de desconforto na boca.

Petit Verdot pelo mundo
Saindo de Bordeaux, sua região de origem, o país onde a uva mais se destaca é a Argentina. O terroir do nosso vizinho é favorecido por proporcionar às uvas maior exposição ao sol que sua terra natal, o que resulta em sabor mais frutado, acidez moderada e taninos mais maduros.

De maneira geral, é difícil encontrar rótulos que estampem a variedade bordalesa, principalmente no Brasil. Mas, se der sorte, pode ser que se depare até com alguns de fora da França e da Argentina, afinal, a casta também é cultivada na Itália, Venezuela, Estados Unidos, Espanha, Austrália e Chile.

Seja da Europa ou das Américas, vale a pena provar um 100% Petit Verdot!

Harmoniza com esta matéria:



92

js

Bordeaux, França

Château Bolaire Bordeaux Supérieur 2010

92

js

Bordeaux, França

Château Bolaire Bordeaux Supérieur 2009

Bordeaux, França

Château des Antonins Bordeaux Rosé 2015 (Orgânico)

Best seller badge

Bordeaux, França

Julien Barthazac Bordeaux Rouge 2012