Guia do grande dia: vinhos e casamento!seja-um-craque

Ao servir vinhos no casamento, você deve pensar não somente na quantidade de convidados, mas em um monte de detalhes que parecem pequenos, mas fazem grande diferença. Mas não se preocupe, o Sonoma está aqui para te ajudar!

Se você está organizando um casamento, já deve ter notado que não é nada fácil. Há muito o que se preocupar quando se trata do "grande dia", seja uma cerimônia simples, reunindo poucas - e boas - pessoas, ou uma festa de arromba que vai ficar para a história.

Preparados? Já vamos jogar o buquê... Digo, já vamos dar as informações necessárias.

Quantas garrafas devo comprar?

Não sobrar nem faltar: eis a regra número um.

Claro que é sempre difícil chegar à quantidade exata, até porque nem todos bebem o mesmo tanto de vinho... Para nossa sorte, existem alguns macetes que ajudam a chegar ao número aproximado de garrafas, sem exagerar e tampouco deixar seus convidados de taça vazia.

Não importa o tamanho da festa, a média é sempre a mesma, pois os elementos costumam ser iguais. Se for no estilo coquetel - com canapés e finger foods, o famoso “bolo e Champagne” - aposte em uma garrafa para cada dois convidados; Agora, se for servir um almoço ou jantar, pode baixar um pouco o volume de garrafas - uma para cada três convidados é o ideal.

Quais vinhos escolher?

Eis uma pergunta difícil, e muito. Vai depender, em primeiro lugar, do que vai ser servido no casamento. Canapés? Carnes? Massas? Risotos? Doces? Quanto pretende gastar com as bebidas? Como são seus convidados?

Para não errar nunca, o melhor é apostar em vinhos fáceis de beber, pois maior será a chance de agradar seus convidados. Como assim? Vai lendo..

Quando dinheiro não é problema

Se dinheiro não for o seu limite, então pode começar servindo Champagne brut a todos os convidados. Além de boa acidez, o que já faz dele por si só um convite para o jantar (vai abrir o apetite e fazer a boca salivar), ainda tem um perlage fino e delicado, que vai dar elegância à recepção.

Para as entradas ou pratos mais leves, pode investir num bom Riesling - além de super aromático, ainda tem boa acidez, o que o torna companheiro excelente de harmonizações. É fato que nem todos conhecem a variedade intimamente, ela ainda não é tão comum por aqui, então se preferir pode escolher um Sauvignon Blanc da Nova Zelândia ou um Chablis, os conhecidos Chardonnays do norte da Borgonha.

Chegando às carnes, pode viajar por Bordeaux (Pomerol e seus Merlots que já nascem prontos são perfeitos!). Se o assunto for massa, talvez o melhor seja mesmo a Toscana e seus.

Para a sobremesa, pode voltar para Champagne, porém agora numa versão demi-sec. Suas notas docinhas são a melhor escolha para acompanhá-la e com todo o charme das borbulhas mais famosas do mundo.

Não é pra tanto... O orçamento está baixo

Uma carta dessas pode ser um tanto quanto cara, é verdade. Não se desespere se não quiser gastar muito. Também pode oferecer um cardápio muito legal gastando menos. A ideia será sempre a mesma: opções fáceis, que vão agradar a maioria dos convidados.

Seguindo a mesma linha de raciocínio, aposte num Prosecco (o espumante mais comum nos casamentos) para a entrada. Pode ser um brut ou demi-sec. Ambos são delicados e extremamente agradáveis, bons parceiros para harmonizar entradinhas e petit fours.

O trunfo brasileiro é os espumantes! No Brasil temos espumantes que se comparam aos internacionais muito nomeados, com a diferença de oferecermos um ótimo custo-benefício! Se apostar nos nacionais, terá em sua festa um excelente espumante, sem fugir do seu orçamento.

Um Sauvignon Blanc ou Chardonnay, variedades mais conhecidas dos paladares brasileiros, para os pratos leves será uma boa aposta. Falando em tintos, Portugal é sempre uma boa pedida quando o assunto é agradar a mesa. Um tinto do Alentejo ou do Douro (dê preferência aos rótulos mais modernos, pois são mais fáceis).

Ah, e não dá para esquecer da sobremesa! Pode voltar ao Prosecco, um demi-sec terá deliciosas notas de castanhas, que vão muito bem inclusive com bem-casado. Se quiser variar, opte por um bom e perfumado Moscatel.

Na temperatura certa

Quando o assunto é temperatura, não há o que discutir. Existem regrinhas que determinam a temperatura de serviço adequada para cada tipo de vinho. Vamos lá: os espumantes devem ser servidos até 10ºC, os brancos de 12 a 14ºC e os tintos entre 16 e 18ºC.

Para evitar que o vinho esquente à taça, o ideal é moderar a quantidade servida - regra vale não só para evitar o desperdício de vinho, mas também para melhorar o aproveitamento da bebida. O recomendado é servir os espumantes até a metade da taça e os vinhos tranquilos, sejam brancos ou tintos, um pouco abaixo da metade.

Tipos de taças

Por mais que o buffet já se encarregue disso, é bom você também saber para poder solicitá-los caso alguma coisa esteja “fora do lugar”. O tipo de taça em que o vinho será servido é importante para ressaltar seus aromas e sabores, tais como são oferecidos pela bebida.

Para os tintos, a taça Bordeaux é um curinga. Seu bojo largo e alto favorece a “giradinha” e destaca os atributos que os tintos tem a oferecer.

Já para os brancos que são servidos em temperaturas um pouco mais baixas, as taças devem ter haste longa, para evitar o contato da nossa mão com o bojo e não aquecer a bebida.

E quando tratamos dos borbulhas da festa, os adorados espumantes? Estes merecem uma taça também à altura! As taças flûte são mais finas e longas, ao estilo dos filmes que você já viu. Todo esse formato elegante preserva o perlage (as bolhas) do espumante e direciona os aromas diretamente para o nariz. Nada como desfrutar de um vinho com tudo que ele pode oferecer, não é mesmo? Então fique de olho nas taças que serão convidadas para o grande dia!

Quantos profissionais serão necessários para servir no meu casamento?

Tratando de vinhos, devemos diferenciar aqui a quantidade de convidados e o tipo de serviço. Se é uma grande festa, para 300 convidados ou mais, recomenda-se um serviço mais agilizado, onde as taças são servidas anteriormente e um outro garçom sai distribuindo-as pelas mesas. Recomenda-se um garçom para cada 8 taças servidas.

Se procura um serviço mais sofisticado, preocupado com a ordem correta para servir as bebidas, temperatura ideal e uma coordenação mais efetiva do serviço, procure um sommelier. O recomendado é que conte 1 para cada 10 convidados. E atenção: o sommelier está ali apenas para coordenar corretamente o serviço de vinhos e não para dar microaulas aos convidados.

Quais vinhos não escolher para servir no casamento?

Devido à grande diversidade de paladares, você deve fugir dos que agradam os mais específicos. Vinhos fortificados e muito alcoólicos não são uma boa opção, a menos que seja servido apenas na hora do bolo para fazer a harmonização.
Os vinhos com muito tanino, ou mais azedinhos, com muitos toques de fruta vermelha ou muito encorpados, também correm o risco de não agradar a maioria.

O que mais?!

Ainda não sabe como escolher os vinhos do seu casamento? Um bom norte pode ser pensar o que vai servir. Massas, carnes ou algo a mais? Para não errar na harmonização, confira o nosso guia e aprenda quais os vinhos mais adequados para cada tipo de prato!

COMPARTILHE


Artigos relacionados

Quando dizem que casamento não é fácil, acredite: a indecisão e a dificuldade já começam na escolha do menu.

DESCUBRA

Viagem para Disney, Paris e Champagne de uma só vez? O Sonoma te guia! **`Harmoniza com esta matéria:`**

DESCUBRA

"Vol au vent" em francês significa "vôo ao vento". Este foi o nome dado a esta massa folhada francesa que é bem leve e fininha. Recheadas com uma mistura cre...

DESCUBRA