O terroir da Carménère e da Cabernet Sauvignon

São tantos os vinhos de qualidade que vem do Chile que muitas vezes nos esquecemos de dar a devida atenção às inúmeras denominações de origem que existem por lá.

Neste artigo vamos explorar um pouco o Valle del Rapel, uma das mais tradicionais e importantes regiões vitivinícolas chilenas. Ao lado do Valle del Maipo, o Rapel determinou o estilo e a fama da Cabernet Sauvignon e da Carménère mundo afora.

Distante poucas horas da capital chilena, o Rapel está dividido em duas zonas, Valle del Cachapoal e Valle de Colchagua, ambas cortadas por montanhas e colinas, e onde as vinhas se espalham a perder de vista.

A zona está demarcada pela presença do rio Cachapoal que delimita o território. O rio represado, próximo da Costa, forma a Usina del Rapel, responsável pela energia hidrelétrica que abastece boa parte do Chile.

A região é quente, árida, quase não chove por lá, por isso a superfície irregular faz com que as uvas se beneficiem da brisa marítima da costa durante o dia. De noite, um manto de névoa desce da Cordilheira que cobre e umedece as vinhas. O resultado desta configuração é um vinho de cor escura, aroma concentrado, sabor frutado estruturado por taninos macios. Quase não há brancos nessa área.

Décadas atrás, a grande fertilidade do solo e o alto índice freático proporcionaram apenas vinhos ordinários diluídos e baratos. A história começou a mudar nos anos de 1980-90, quando muitos enólogos voltaram de suas viagens de estudos dos Estados Unidos, Austrália e França, e trouxeram consigo novas idéias e tecnologias.

A nova mentalidade desenvolveu a região, e alavancou significativamente a qualidade da Cabernet Sauvignon e desenvolveu a Carménère, até então considerada extinta.

Valle del Cachapoal

Durante o verão o sol brilha com intensidade, o clima é quente, e a proximidade dos Andes faz a diferença térmica entre o dia e a noite. Nessa época do ano, pode chegar a 20°C, com máxima de 34oC, de dia, e mínima de 10oC, na madrugada.

Da Cordilheira, durante a noite, desce uma névoa que cobre e hidrata as uvas o que é perfeito para o amadurecimento de tintas de ciclo longo como a Carménère.

Entre Peumo e Las Cabras as franjas da Cordilheira formam uma estreita área plana de poucos quilômetros, cortada pelo rio Cachapoal, que faz um longo e tortuoso caminho até ser represado e formar o lago Rapel.

Neste microclima, de verão longo, se desenvolve com perfeição a Carménère como em nenhum outro terroir do Chile. É também um terroir de extrema qualidade para a Cabernet Sauvignon.

Fatores de qualidade que beneficiam as uvas em Cachapoal:

Excelente drenagem do solo;

Dias muito quentes possibilitam o amadurecimento completo da Carménère como em nenhum outro local;

Grande diferença de temperatura permite que a uva descanse durante a noite e volte a amadurecer durante o dia;

O Valle está sob forte influência do clima Continental da Cordilheira dos Andes.

Valle de Colchagua

A proximidade da costa faz com que as vinhas da região sejam ventiladas pelo ar frio e úmido do mar, o que cria um clima parecido com o do Mediterrâneo. A temperatura durante o dia, no verão, é alta e ultrapassa os 32°C, entretanto a influência marítima é um fator determinante para a qualidade. A elevação é de moderada altitude e as vinhas são irrigadas por inúmeros lagos que recortam a paisagem.

O estilo do vinho é profundo e os melhores Cabernet Sauvignon deste terroir lembram os tintos do Médoc.

O solo é menos profundo e mais mineral do que o de Cachapoal, e há áreas onde há muito calcário - carbonato de cálcio - que veio do mar.

** O terroir de Apalta, uma pequena faixa de terra entre colinas, considerado por muitos especialistas o melhor de todo o Chile para uvas tintas, fica em Colchagua.**

O pequeno território tem o metro quadrado mais caro do país e toda sua superfície está coberta por vinhas. Nenhum produtor ousa vender um metro sequer.

Uma curiosidade. A coloração do solo de Colchagua é quase inteira cor de café avermelhado, devido a presença de granito e argila, o que intensifica a cor e taninos nas uvas. Já em Apalta, o solo é caramelo escuro e dourado, devido à presença inusitada de calcário, areia e cascalho, e isso resulta em uva mais elegante que concentrada. Somente a zona de Apalta tem essa combinação de solo.

** Fatores de qualidade que beneficiam a Cabernet Sauvignon no Colchagua:**

Névoas marítimas influenciam amadurecimento lento das uvas pois moderam o clima durante o dia e noite.

Menor influência da Cordilheira dos Andes, e maior marítima, devido a proximidade com a Cordilheira da Costa.

As uvas mais plantadas no Valle del Rapel são a Cabernet Sauvignon, Carménère, Syrah e a Merlot, embora existam outras, essas juntas somam mais de 85% do volume regional. O estilo geral dos vinhos é de muita cor e concentração com elegância e mineralidade.

Cada vez mais o Chile busca selecionar suas sub regiões para estabelecer as diferenças e tipicidades. Carménère não é tudo igual, há bons exemplares em todos os locais, mas os mais valiosos e destacados vem de Cachapoal, aproveite essa denominação para conhecer o maior potencial dessa variedade.

No Colchagua vem os Merlots e Cabernets mais exuberantes. Existem belos e deliciosos vinhos em todo o Chile, mas em Colchagua há detalhes que não se encontram em outras denominações.

Aproveite essas dicas e se divirta com esses dois incríveis terroirs. Numa outra oportunidade abordaremos os terroirs da Costa do Pacífico. Até lá.



Valle del Colchagua, Chile

Los Vascos Barons de Rothschild Reserva 2017

até 18% OFF
Organico

94

ta

94

ds

94

js

Colchagua, Chile

Emiliana Coyam 2015

até 19% OFF
Best seller badge

90

js

Vale de Curicó, Chile

Aresti Bela Vista Reserva Cabernet Sauvignon 2017

até 23% OFF
Best seller badge Organico Natural

92

ds

Bío-Bío, Chile

Cacique Maravilha “Pipeño” Pais 2017 (1l) (Biodinâmico/ Natural)

até 25% OFF