As notas e os sabores das uvasseja-um-craque

Uma uva pode ter mil sabores. Ela muda de terroir para terroir, às vezes dentro do próprio país, "village" ou até dentro da própria vinícola. O mundo dos vinhos é tão vasto que é normal se sentir perdido. Como saber qual é sua preferida?

É muito difícil dizer os sabores de uma uva sem pensar nas variáveis. Contudo, alguns são mais característicos de uma ou outra cepa. Conheça as sensações mais básicas que algumas das principais uvas podem passar!

Uvas tintas

Cabernet Sauvignon: considerada a “rainha das uvas”, se adapta bem em vários terroirs e fica ótima com outras uvas. Seus aromas e sabores são de groselha e cassis (a groselha negra), hortelã, pimentão verde, violetas e, se passar por carvalho, madeira de cedro e baunilha. Quando envelhece, adquire notas de chocolate em pó, tabaco e frutas em compota.

Carménère: extremamente terrosa e vegetal, esta cepa sempre deixa seu toque expressivo de pimentões, cogumelos e terra. Algumas vezes, vai mais para o lado do enxofre, outras procura "picância" das especiarias e frutas vermelhas.

Malbec: de sabor maduro de frutas secas e especiarias, deixa um leve adocicado no paladar por conta dos taninos redondos e elevada graduação alcoólica que alcança. Também apresenta aromas de ameixa, geleia de cereja e notas florais.

Merlot: a "outra tinta de Bordeaux", como era conhecida, é famosa pela maciez aveludada. Justamente por isso, às vezes aromas e sabores acabam passando batido. Mas numa taça podemos encontrar ameixas, jabuticabas, especiarias, ervas e até chocolate ao leite!

Nebbiolo: complexa e elegante, talvez seja a melhor definição para a cepa que dá origem aos vinhos "Barolo" e "Barbaresco". Leves, mas ainda sim encorpados e com taninos presentes, induzem aromas de couro, especiarias, rosas, frutas silvestres e caixa de charuto.

Pinot Noir: delicada e elegante, é bem leve e exibe aromas de cereja, framboesa e morangos em um fundo de terra úmida, sempre com muita acidez. Seus vinhos podem também trazer notas de couro e especiarias (quando maduros) e nuances de tosta (se forem envelhecidos em carvalho).

Sangiovese: com boa acidez e taninos redondos, a principal uva da Itália vê suas características mudarem conforme a região ou tipo de vinho. De modo geral, nota-se a presença de violetas, tabaco, ervas, folhas secas de chá e, raras vezes, tomate.

Syrah: só de ouvir o nome da uva já dá para sentir as especiarias entrando pelo nariz e boca. Imagine desarrolhar uma garrafa, então?! Além disso, frutas escuras, couro, notas tostadas e até defumadas - sempre em presença de taninos e alto teor alcoólico!

Tempranillo: com aromas entre a Cabernet e a Pinot Noir, a casta espanhola exala frutas vermelhas e pretas (muitas vezes vivas e adocicadas como em uma geleia), ervas, especiarias e às vezes até terra molhada ou madeira. Acidez e álcool bem equilibrados não costumam faltar! Ah, isso sem esquecer seus fortes taninos que secam a boca.

Uvas brancas

Chardonnay: inicialmente pouco aromática, é uma das castas que mais absorvem características do solo e da vinificação. Podemos citar frutas cítricas, como maçã verde, limão e tangerina, e as mais tropicais, como abacaxi, maracujá, pêssego e damasco. Manteiga e coco sempre aparecem quando envelhecido em carvalho.

Chenin Blanc: super floral, a variedade reúne, como num buquê, acácias, madressilvas, capim-limão e um pouquinho de grama e palha. Maçã verde, melão e grapefruit (toranja) participam para dar aquele amargorzinho. Os mais completos ainda finalizam com amêndoas!

Gewürztraminer: o nome é difícil, mas os sabores e aromas são deliciosamente fáceis. Lichias e pétalas de rosas abrem caminho, trazendo acácias, jasmins, mel, cravo e baunilha. Outra característica forte é a pimenta-preta bem presente ("gewürz", em alemão, quer dizer "especiarias"). Ideal para harmonizar com comidas apimentadas!

Moscatel: docinha, literalmente, a casta empresta para o vinho um toque floral, melão, uvas passas e pêssego. Sua acidez combina perfeitamente à baixa graduação alcoólica e alto teor de açúcar.

Riesling: tem aromas e sabores únicos, revelados em vinhos secos ou de sobremesa. A riesling tem mil variações e é uma das uvas mais expressivas. Pode trazer notas de petróleo, plastico, borracha, pêssego, damasco, flores amarelas e pétalas de rosa. À boca, grama cortada, mel, manteiga, petroláceos, minerais, tangerina, melão e flores.

Sauvignon Blanc: sua característica é o frescor. Tem uma boa acidez e revela bastante limão e limão siciliano, mas também algumas frutas tropicais, como maracujá e abacaxi. Também pode trazer notas de melão, pera e, com mais frequência, xixi de gato (falamos sério!), grama molhada e muitos herbáceos. À medida que envelhece, ela desenvolve aromas de pimentas verde e vermelha.

E aí, se identificou com alguma? Tem alguma uva que gostaria de conhecer melhor?

COMPARTILHE


Artigos relacionados

Muita gente gosta muito de vinho, mas não sabe dizer com propriedade qual casta é a sua preferida. A questão é: dentre tantas, como saber qual? Montamos um g...

DESCUBRA

É fato consumado: a pizza caiu no paladar brasileiro, tal como caiu na Itália. Somente no estado de São Paulo, são abrigadas mais de 12 mil pizzarias. E no s...

DESCUBRA

Às vezes, temos certa dificuldade em escolher um vinho, seja para harmonizar com um delicioso prato, seja para compor um momento com a família ou amigos.

DESCUBRA